Medicamento genérico contra a Aids pode virar realidade


O primeiro medicamento genérico para combater a Aids pode estar disponível já nos próximos anos para a população mundial. Após mais de uma década de guerra diplomática e ameaças de quebra de patentes, farmacêuticas e organismos internacionais de saúde chegaram a um acordo para produzir uma versão genérica dos antirretrovirais por um consórcio internacional. O objetivo é fazer com que eles cheguem a 111 países pobres, gerando uma economia de US$ 1 bilhão (R$ 1,57 bilhão) por ano.

“Hoje estamos começando uma nova era na resposta mundial contra a aids”, afirmou o diretor executivo da Unaids (órgão das Nações Unidas que trata de aids), Michel Sidibé. “O acordo prova que os setores público e privado podem dar as mãos pelo bem da saúde do mundo.”

O laboratório Gilead Science foi o primeiro a levantar as patentes de quatro medicamentos para a Aids e hepatite B. O consórcio está ligado à Unitaid, um fundo internacional criado em 2003 pelo Brasil e pela França, que é alimentado com taxas que incidem sobre passagens aéreas. Na prática, trata-se de uma licença compulsória negociada.

 

Fontes: Revista Època